Sport pode ter vantagem no clássico, acredita Thomás;

ADAURY VELOSO ;

Meia acha que tempo que o Rubro-negro teve para ajustes e intervalo maior desde o último jogo podem ser diferenciais para uma vitória sobre o Tricolor ;

Mais bem classificado na primeira fase do Campeonato Pernambucano, o Sport tem o benefício de decidir na Ilha do Retiro a passagem à semifinal, contra o Santa Cruz. Entretanto, segundo Thomás, o Leão pode ter outra vantagem sobre o Tricolor. Como a sua equipe atuou menos vezes na temporada e vem de um tempo maior sem entrar em campo, o meia acredita que o Rubro-negro teve mais tempo para ajustes durante os treinamentos.

Além de um amistoso da Taça Ariano Suassuna, sem Copa do Nordeste por decisão própria, o Sport atuou 12 vezes em 2018 – dez pelo Estadual e duas pela Copa do Brasil, torneio em que foi eliminado precocemente, ainda na segunda fase. Já o Santa, além das dez partidas do Pernambucano, entrou em campo outras quatro vezes pelo Nordestão e mais uma na Copa do Brasil, 15 no total.
A grande diferença, porém, é que o Tricolor chegará para o Clássico das Multidões três dias após enfrentar o CRB, em Maceió, no Nordestão. Já o Sport desfruta de um intervalo maior para preparação. Jogará depois de exatamente uma semana desde quando empatou em 1 a 1 com o mesmo Santa Cruz, pela última rodada da primeira fase do Pernambucano.
“Acho que é (uma vantagem). O Nelsinho tem trabalhado bastante. Tivemos um pouco mais tempo livre para treinar mais, encaixar mais a equipe, acertar alguns erros, melhorar outras coisas. Quando começa o jogo, é garra e vontade de cada um. Mas dá para tirar vantagem disso. Clássico é decidido ali dentro”, disse Thomás.
 
Titularidade
Ao entrar ainda no primeiro tempo, Thomás foi autor do gol rubro-negro no empate em 1 a 1 com os corais, na última quarta-feira. O meia não se apressa pela titularidade. Promete apenas empenho em campo em mais um clássico com o seu ex-clube.
“Eu chego bem neste jogo, confiante. Sempre estive confiante, mas acredito que tudo na vida é equilíbrio. Não é por que fiz um gol agora que sou o melhor jogador. Não é por que perdi pênalti há duas semanas (contra o América) que sou o pior. Acredito que tudo na vida é equilíbrio. Sempre confio no trabalho que faço. Se tiver que jogar 90 ou um minuto, vou me doar 100% para o Sport classificar”, ponderou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *