Sport é batido na Ilha e entra na zona de rebaixamento;

ADAURY VELOSO ; O Sport passou praticamente todo o segundo turno flertando com a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Entre os concorrentes, tem a pior campanha desta segunda metade da Série A. O dia de sua inclusão entre os quatro últimos colocados, finalmente, chegou: ontem, após a derrota por 2×1 para o Botafogo, na Ilha do Retiro. De fato, houve luta. Foi possível observar momentos de entrega. Mas a desorganização, além de uma falha decisiva do goleiro Magrão, contribuíram para a derrota leonina. O resultado deixou o Leão na 17ª colocação, estacionado com 36 pontos.

A presença ofensiva no primeiro tempo este sob o domínio rubro-negro. Foi do Sport também 58% de posse de bola. Ao todo, nove finalizações leoninas contra apenas três do Botafogo. A liderança nos números técnicos do jogo, no entanto, de nada adiantou aos pernambucanos. Isso porque a vantagem no placar, após os primeiros 45 minutos, estava favorável aos adversários cariocas. Com um 2×0 engasgado na garganta, a equipe de Daniel Paulista desceu para os vestiários. Mas há sim uma explicação para isso. A decisiva falha do goleiro Magrão, aos 15 minutos de jogo, desestabilizou o já pouco organizado time do Sport.

Parece até ilógica o início da construção desta frase: “A decisiva falha do goleiro Magrão…” De fato, a história do arqueiro na Ilha do Retiro dá essa impressão. Sendo assim, vamos ilustrar este raro momento. Bola recuada por Samuel Xavier para a saída do camisa 1 rubro-negro. Ao tentar driblar Bruno Silva, que chegava abafando, Magrão errou. A bola então sobrou para o volante botafoguense, que ficou com a meta aberta para abrir o placar. Este momento foi capital no jogo. A equipe sentiu o momento. Tanto que apenas três minutos foram suficientes para que o segundo gol acabasse sofrido. Aos 18, Marcos Vinícius aproveitou bola que sobrou na entrada da área e arriscou de longe, no cantinho, e balançou as redes.

Na volta para o segundo tempo, a mesma postura ofensiva do Sport foi protagonizada. Natural, inclusive, pelo fato de o Botafogo ser uma equipe caracterizada pela força na marcação e em não fazer tanta questão de ficar com a bola. Mas a desorganização rubro-negra impediu qualquer tentativa de iniciar uma reação dentro da partida. E o problema, de fato, é tático. Até porque mudanças foram feitas no time, com as saídas de Wesley para a entrada de Marquinhos, ainda no primeiro tempo, além de Lenis e Thomás nas vagas de Rogério e Samuel Xavier, respectivamente. Aos 40 minutos, o gol de André chegou a dar esperanças ao torcedor rubro-negro. Mas a reação parou por aí.

FICHA TÉCNICA
1 Sport
Magrão; Samuel Xavier (Thomás), Henríquez, Durval e Sander; Rithely, Patrick, Wesley (Marquinhos); Osvaldo, Rogério (Reinaldo Lenis) e André. Técnico: Daniel Paulista

2 Botafogo
Gatito; Arnaldo, Joel Carli, Igor Rabello e Victor Luis; Ricardo Lindoso (Matheus Fernandes), Bruno Silva, João Paulo e Marcos Vinícius; Rodrigo Pimpão e Brenner (Guilherme). Técnico: Jair Ventura

Local: Ilha do Retiro (Recife).
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO). Assistentes: Bruno Raphael Pires e Leone Carvalho Rocha (ambos de GO).
Gols: Bruno Silva (aos 15 do 1ºT); Marcos Vinícius (aos 18 do 1ºT); André (aos 40 do 2ºT)
Cartões amarelos: Henríquez (Sport); Igor Rabello, Arnaldo, João Paulo, Matheus Fernandes (Botafogo)
Público: 24.119. Renda: R$ 118.936,00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *